O poder da escolha
Por Luana Oliveira
escolha

“— Hoje estou deixando que vocês escolham entre o bem e o mal, entre a vida e a morte. Se vocês obedecerem aos mandamentos do Senhor, nosso Deus, que hoje eu estou dando a vocês, e o amarem, e andarem no caminho que ele mostra, e cumprirem todas as suas leis e todos os seus mandamentos, vocês viverão muito tempo na terra que vão invadir e que vai ser de vocês. E Deus os abençoará e lhes dará muitos descendentes.” (Deuteronômio 30:15-16)

Desde pequenos aprendemos que existem duas forças contrárias no mundo: o bem e o mal. Esses poderes estão em quase tudo ao nosso redor, como por exemplo: o amor e ódio, alegria e tristeza, saúde e doença, paz e guerra, vida e morte. Todas essas questões, muitas vezes, são escolhas em nossas vidas.

Há uma palavra muito conhecida por todos chamada livre-arbítrio cujo significado é o poder de decidir ou escolher em função da própria vontade.

Deus, desde a criação do mundo, nos concedeu este poder de escolha: “Então o Senhor Deus pôs o homem no jardim do Éden, para cuidar dele e nele fazer plantações. E o Senhor deu ao homem a seguinte ordem: — Você pode comer as frutas de qualquer árvore do jardim, menos da árvore que dá o conhecimento do bem e do mal. Não coma a fruta dessa árvore; pois, no dia em que você a comer, certamente morrerá.” (Gênesis 2:15-17)

Conhecemos a história. Adão escolheu não ouvir o Senhor e o desobedeceu. Tal escolha teve suas consequências: “E para Adão Deus disse o seguinte: — Você fez o que a sua mulher disse e comeu a fruta da árvore que eu o proibi de comer. Por causa do que você fez, a terra será maldita. Você terá de trabalhar duramente a vida inteira a fim de que a terra produza alimento suficiente para você. Terá de trabalhar no pesado e suar para fazer com que a terra produza algum alimento; isso até que você volte para a terra, pois dela você foi formado. Você foi feito de terra e vai virar terra outra vez.” (Gênesis 3:17, 19)

Assim é comigo e com você. Nosso futuro depende, em grande parte, de nossas escolhas e todas elas, tem consequências, sendo boas ou ruins.

Alguém vai dizer: “Eu posso fazer tudo o que quero.” Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: “Posso fazer qualquer coisa. Mas não vou deixar que nada me escravize.” (1Coríntios 6:12)

A Bíblia nos incentiva a escolher a vida e escutar a voz de Deus, ou seja, escolher obedecer aos seus mandamentos.

Ah! Se vocês tivessem obedecido aos meus mandamentos! A sua prosperidade iria aumentando como se fosse uma enchente, e as suas vitórias teriam sido constantes, tão constantes como as ondas do mar.” (Isaías 48:18)

O livre-arbítrio é um presente valioso que Deus nos deu, porque além de tudo, nos permite escolher amá-lo de “todo coração”: Jesus respondeu: — “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente.” (Mateus 22:37)

Ele nos amou e, nos enviou seu próprio Filho para a nossa redenção, para morrermos para os nossos pecados e termos vida em abundância Nele.

Paulo é enfático em suas palavras quando nos questiona: “Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça?” (Romanos 6:16)

Que sejamos, portanto, instrumentos de justiça nas mãos de Deus. Escolham, pois, a vida e vivam a plenitude de serem livres!