Transformai-vos
Por Diego Bonetti
butterfly

Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus”. (Mt 5:20)

Ao contrário das demais tribos de Israel, que seguiram o pecado de Jeroboão (leia 1 Rs 12:25-33 e 2 Rs 17:7-23), os judeus conservaram a tradição religiosa dada por intermédio de Moisés. Ainda que se desviassem, de modo que o SENHOR os entregara nas mãos do rei da Babilônia, foram novamente refinados, e Deus os congregou de todas aquelas terras, fê-los habitar em Jerusalém e reafirmou para eles a Sua aliança eterna (Jr 32:36-42; Is 45; Ed 1).

Nos tempos de Jesus, os judeus permaneciam zelosos acerca das tradições e costumes do Velho Testamento. Professavam a Palavra de Deus nas comunidades e a ensinavam com afinco aos seus filhos. No entanto, não foram capazes de reconhecer o Messias ou Salvador, sobre quem profetizara o próprio Moisés (Gn 3:15; Dt 18:15-22). O Verbo de Deus encarnado veio para o seu povo, mas os seus não o receberam (Jo 1).

Os judeus esperavam um líder como Davi, que os libertaria do poder do império romano. Por isso não desvendaram o mistério da missão messiânica, de que o Reino de Deus haveria de vir em poder espiritual, antes de vir em glória. Mas terá sido esse o motivo que os impediu de conhecer a Jesus? Sem dúvidas que não! Os fariseus (e os judeus em geral) não receberam a Jesus porque estavam acomodados em suas más obras, isto é, não queriam que a luz de Jesus revelasse a maldade de suas obras (Jo 3:19-21). Notadamente, os fariseus escondiam-se em suas posições de líderes religiosos, mas por dentro estavam mortos (Mt 23:1-36).

As congregações cristãs do presente reúnem-se semanalmente para celebrar a Salvação operada por Cristo e para estudar a palavra de Deus. Afinal, a todos quantos o receberam deu-lhes Jesus o poder de serem filhos de Deus (Jo 1:12).

No entanto, não devem os cristãos, como fizeram os fariseus, sentarem-se confortáveis em suas posições de crentes. Aliás, até os demônios creem que Deus é um só (Tg 2:19). De fato, da mesma forma que o Evangelho garante que são filhos de Deus os que confessam a Jesus, está escrito que muitos serão apartados ‘naquele dia’, já que, dirá o Senhor, “[…] nunca vos conheci…” (Mt 7:23).

Para que a vossa justiça exceda em muito a dos fariseus, é inevitável experimentar qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus e para isso é imprescindível que antes sejais transformados pela renovação da vossa mente, diz a Bíblia. (Rm 12:2).

Desde as revoluções iluministas e renascentistas, o conceito do saber racional como poder de controlar a natureza e o próprio homem, descartando-se ou mesmo hostilizando-se toda e qualquer ideia de Deus e/ou religião, vem ocupando as bases do pensamento de qualquer sociedade ocidental. O Cristianismo tornou-se apenas um componente cultural. Ao contrário do que muita gente imagina, o próprio ideal de felicidade é decorrente dessa base. Sutilmente, a filosofia do egoísmo e do individualismo vem ganhando espaço.

Na Segunda Carta à Timóteo, diz o Apóstolo Paulo que nos últimos dias os homens terão forma de piedade, entretanto negarão o poder transformador da graça de Deus (2Tm 3:5).

Por mais óbvias que pareçam, as estratégias de Satanás já estão lançadas, como cartas sobre a mesa. O vosso adversário anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. A vós, pois, cabe resisti-lo firmes na fé (1Pe 5:8-9).

Em resumo, não basta confessar a Jesus com a boca. Mais do que isso, diz a Palavra, é necessário que os vossos caminhos sejam plenamente transformados pela graça regeneradora de Cristo. Se alguém confessa a Cristo, mas ama o mundo, o amor do Pai não está nele (1Jo 2:15). E se alguém diz que ama a Deus, a quem não vê, e odeia a seu irmão, a quem vê, anda nas trevas e não pratica a verdade (1Jo 1:6; 4:20).

Graças a Deus, há um Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, que é fiél e justo para vos perdoar os pecados e vos purificar de toda injustiça (1Jo 1:9; 2:1). E a unção que dele recebestes permanece em vós, apta para vos ensinar a respeito de todas as coisas (1Jo 2:27).

Portanto, transformai-vos!