Transformação no deserto
Por Denise Lopes
deserto

Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração. E lhe darei as suas vinhas dali, e o vale de Acor, por porta de esperança; e ali cantará, como nos dias de sua mocidade, e como no dia em que subiu da terra do Egito. Oséias 2:14-15.
Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos (Is 55.8,9).

O deserto é um lugar de transformação, podemos ver na Bíblia vários exemplos de pessoas que foram transformadas no deserto: Moisés, o povo de Israel, Saulo (onde foi encontrado, transformado e seu nome mudado para Paulo) e até mesmo Jesus (onde foi tentado, testado e aprovado como Messias).

Mas, na verdade, o que é o deserto em nossas vidas?

O deserto é uma metáfora dos momentos áridos e difíceis pelos quais passamos. É o lugar onde Deus nos chama para testar, transformar, purificar, forjar nosso caráter, ou muitas vezes até mesmo melhorar nossa capacidade, transformando-nos em ferramentas poderosas forjadas por Suas mãos, ferramentas estas que quando prontas, poderão ser utilizadas para o Seu propósito. O deserto é um momento difícil em nossas vidas, mas através desse momento é que crescemos nas mãos de Deus, de acordo com o propósito que Ele tem para nós.

Durante nossas vidas, passamos por diferentes tipos de deserto, o deserto não é uma experiência que se finda ao passarmos por ele uma única vez. Devemos enxergar os desertos que passamos como parte de uma estrada divina onde, de certa forma, nunca saímos completamente, isso porque o processo pelo qual o Senhor transforma nossos corações é algo constante… Não termina até que estejamos plenamente em Sua presença, quando finalmente nos tornamos nova criatura, com um novo coração forjado nEle.

Sendo assim, continuamos nossas lutas nos desertos da vida: Algumas vezes com menos intensidade, outras com uma intensidade maior, outras passando novamente por alguns lugares que já havíamos passado, e ainda, para nossa surpresa, podemos nos surpreender encontrando lugares que desconhecíamos, lugares que o Senhor não havia nos mostrado antes (mesmo que estes lugares tenham sido sempre parte de nós).

O deserto é um lugar difícil, árduo, mas não podemos enxergá-lo como um tipo de castigo ou como um lugar terrível de onde devemos fugir, pelo contrário, crescemos espiritualmente quando enfrentamos um deserto.

A verdade é que o deserto só se torna uma experiência ruim em nossas vidas quando nos recusamos ou resistimos a aprender o que Deus quer nos ensinar. Para evitar isso, precisamos entender que o problema não está em Deus, mas sim em nós, e em como nos comportamos enquanto passamos pelo deserto. Basta imaginarmos o quão rapidamente Deus poderia ter levado o povo de Israel para a Terra Prometida se eles tivessem confiado nEle: Eles teriam chegado lá em dois anos e não em quarenta. Aqui está o que precisamos perceber: Deus nos tira do deserto o mais rápido possível, mas nunca antes de estarmos prontos.

Que não resistamos quando tivermos que passar por estes momentos árduos e de tratamento, mas que exclamemos como o salmista: Faze-me, SENHOR, conhecer os teus caminhos, ensina-me as tuas veredas (SI 25.4).

Para finalizar, devemos nos lembrar principalmente que o deserto é o lugar santo da presença de Deus. É o lugar onde Ele nos chama para um momento de intimidade, onde Ele nos fala pessoalmente, fala aos nossos corações, nos chama para caminharmos lado a lado com Ele. É o lugar mais difícil, mas ao mesmo tempo é o lugar onde sentimos Ele mais pertinho: Sem distrações, podemos ver a provisão e o cuidado dEle em cada passo que damos.

O caminho do deserto é o caminho da provação, da dependência e da perseverança. Por isso, nossas jornadas no deserto exigem total confiança em Deus. E nunca nos esqueçamos que o Senhor nunca se afastou do povo no deserto, e é assim conosco também, com Ele, sabemos que não pereceremos, mas que alcançaremos a promessa:

E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual o Senhor teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não. E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor viverá o homem. Nunca se envelheceu a tua roupa sobre ti, nem se inchou o teu pé nestes quarenta anos. Deuteronômio 8:2-4.

Nunca nos esqueçamos também, o que a palavra nos diz:

E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Romanos 8:28.