Firme na Rocha!!
Gina Abrantes

abraços abertos

Nasci em uma família humilde e, sem conhecer os caminhos do Senhor, quando criança, visitava muito a igreja liderada pelo meu tio-avô, um dos fundadores da Assembléia de Deus do Morro Grande, na zona norte de São Paulo. Me lembro exatamente de cada detalhe daquele templo, do hino da harpa que era tocado lá e, por isso, apesar da minha família nuclear não ser convertida, eu tenho uma “raiz” evangélica. Posso dizer que em toda a minha infância e adolescência, eu e minhas irmãs fomos cercadas de pessoas crentes, apesar de meus pais serem de tradição católica. Sempre vinha alguém nos convidar para ir a uma igreja, enfim…

No entanto, dos 15 aos 18 anos de idade, eu não queria saber de contato com pessoas crentes. Quando algumas “mulheres da igreja” chegavam à minha casa, eu saía e deixava minha mãe com elas. Nesse período, apesar de muito nova, eu queria trabalhar para não depender de ninguém e via minha tia, que era católica, acendendo vela pra santo. Eu ia e eu fazia o mesmo, até o dia em que um amigo de escola me falou que Jesus poderia abrir uma porta de emprego para mim. Foi quando eu confessei a Jesus como meu Salvador pela primeira vez. No entanto, eu continuei frequentando a igreja católica durante a adolescência. Terminada a missa no domingo, eu ia para o bailinho perto da minha casa, conhecido como Quadra Coberta. Eu falava exatamente assim: “o dia que eu aprender a sambar, viro crente!” Mal sabia o que estava dizendo! Comecei a namorar, mas um dia o relacionamento terminou e alguns meses depois, uma grande amiga chamada Alessandra me trouxe à memória quem é Jesus e, então, procurei uma igreja evangélica. Era março de 1994 quando entreguei definitivamente minha vida a Jesus e, logo no início, minha vida tomou outro rumo.

Recebi uma Palavra de uma irmã dizendo que o Senhor ia mudar a minha vida e que me daria um carro 0km. Isso para mim era impossível, pois eu não trabalhava e meus pais não tinham condições financeiras para me dar um presente tão caro. No entanto, a profecia também dizia que eu iria conseguir um emprego. É importante eu comentar aqui que eu falava que o emprego ia vir até mim, pois eu já tinha deixado currículo em tantos lugares e…nada! Passei por todas as lojas da Rua 12 de Outubro, na Lapa, em São Paulo, pedindo trabalho.

Uma amiga muito querida me ligou dizendo que havia uma vaga em um shopping de Alphaville e me falou para ir até lá. Eu consegui o emprego no mês de julho, portanto quatro meses depois de ter me convertido. Logo depois surgiu uma vaga na Farmashop (atual Farmalife), uma das empresas do grupo Amil, e eu fui trabalhar aonde eu mais desejava: a Avenida Paulista! Da minha casa, com binóculo, eu conseguia ver a Paulista e tinha um desejo enorme de um dia poder trabalhar ali.

Eu comecei como caixa, depois passei para a área de vendas e cheguei à sub-gerência na loja de Alphaville, no final de 1996. Passei mais 1 ano na Farmashop e comecei a orar para conseguir outro emprego. Um dia eu tive um sonho que eu estava trabalhando na Amil com aquele uniforme preto usado pelas atendentes da empresa. Inclusive, desde pequena, eu tinha o desejo de um dia, quando adulta, trabalhar em um lugar bonito, onde eu pudesse usar salto alto, me maquiar, etc. (sempre fui muito vaidosa!).

Em agosto de 1998 surgiu uma vaga na Agência de Atendimento da Amil e fui selecionada entre dez candidatas para trabalhar na empresa. Sonho realizado! Pouco tempo antes, em 1997, eu havia feito um consórcio para a compra de um carro. Fui contemplada e, nessa época, eu estava muito firme na igreja participando de todas as reuniões de oração. Comecei a orar para o Senhor me mostrar qual carro eu deveria escolher e, para minha surpresa, quando cheguei no local para retirada do veículo, o modelo disponível era exatamente o que eu queria. A palavra daquela serva de Deus de que o Senhor me daria um carro novo, havia se cumprido!! Posso dizer que o ano de 98 foi um divisor de águas na minha vida.

Depois de um período, o Senhor também me fez sair do abatimento pelo fim daquele namoro que não deu certo. Em março de 2002 eu conheci a Igreja Batista Maanaim, em Alphaville. Já me sentia fortalecida nos ministérios por onde eu passei que me deram a base do Evangelho e me ajudaram a curar algumas feridas.

Um dia, uma irmã da Maanaim me convidou para participar de um evento sobre cura interior na cidade de Contagem (MG). No ano seguinte participei de um congresso sobre “batalha espiritual” em São Paulo e fiz um curso sobre intercessão com uma serva de Deus, chamada Ezenete Rodrigues. Fiquei muito impactada com tudo o que Deus vinha me mostrando e aquela mulher cheia do Espírito Santo me fez descobrir o chamado do Senhor para minha vida no ministério de intercessão.

Desde então eu comecei a exercer este ministério na Igreja Batista Maanaim. Passei por muitas lutas. Uma delas foi ter que vender meu carro para pagar uma dívida do meu pai. Em agosto de 2008, tive uma oportunidade de ser transferida da Agência da Amil Alphaville para a unidade da companhia no Hospital Albert Einstein. E Deus já havia me mostrado que eu sairia de onde eu estava e iria para outro lugar, assim como aconteceu com Abraão, no Antigo Testamento. A palavra para mim era esta: Gênesis, capítulo 12 versículo 1 – “Sai da tua parentela e da casa de teus pais, para a terra que Eu te mostrarei”.

Apesar disso, eu relutei em sair da minha zona de conforto, pois eu moro perto de Alphaville e congrego no mesmo bairro. Àquela altura, trabalhar no Morumbi seria bem complicado para mim. Tudo estava muito cômodo, mas o Senhor queria alargar as minhas fronteiras e mudar a minha sorte. Eu aceitei contrariada, mas sabia que era a vontade do Senhor.

Meu salário na época duplicou, porém, minha carga horária passou a ser 12×36 horas, ou seja, eu tinha que trabalhar um período de 12 horas e folgar 36, e isso incluía os finais de semana. Era terrível! Eu enfrentei muita luta ali, mas saí vitoriosa, pois aquele horário de trabalho me permitiu cursar uma faculdade (uma exigência da empresa) e em 2010 eu me formei em Gestão e Marketing. O livro de Romanos, capítulo 8 versículo 28 diz: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”.

Comecei a orar, pois eu não agüentava mais aquele horário. Falei com a minha supervisora e consegui uma vaga na área administrativa, de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, e não trabalhava mais nos fins de semana. Aleluia!

Hoje eu sou extremamente feliz por ter o Senhor ao meu lado, por poder servi-Lo como líder do ministério de intercessão na igreja, por ser aluna do Instituto Bíblico, onde o Senhor tem trabalhado o meu caráter. Meu desejo sincero é ser uma “flecha” nas mãos Dele para atingir o alvo que Ele determinar. 1 Samuel 7:12 – Então tomou Samuel uma pedra, e a pôs entre Mizpá e Sem, e chamou-lhe Ebenézer; e disse: Até aqui nos ajudou o Senhor.

Antes de encerrar este testemunho, preciso contar dois milagres que Deus realizou durante a minha caminhada com Ele. Eu sofri uma queimadura muito grave em outubro de 2012 quando preparava um café, e fui para o hospital com dores terríveis. Lá eu tomei muito soro e Tramal, um potente analgésico. Logo que eu fui atendida, já havia a formação de bolhas no meu braço e no peito. O médico fez um procedimento chamado “debridação”. Traduzindo, ele raspou a minha pele para evitar uma infecção. Não sei o que aconteceu, mas o fato é que eu não senti dor naquele momento. Toda a pele queimada foi removida e eu voltei para casa. Não ficou nenhuma cicatriz.

O segundo milagre foi quando eu tive um nódulo na mama direita. Depois de uma punção, o resultado do exame foi inconclusivo e eu fui encaminhada para um mastologista. Uma curiosidade é que eu me lembrava muito de Daniel na cova dos leões e, para minha surpresa, o nome do especialista que me atendeu na ocasião era Dr. Daniel! Ele me solicitou um exame que levou três meses para eu fazer. No dia do meu aniversário, em 15 de maio de 2008, eu voltei ao médico para uma consulta e ele me disse que precisaria de um último exame para completar o diagnóstico. A mamografia havia apresentado birads 4, que pode caracterizar câncer de mama. Acontece que meu exame clínico não coincidia com o de laboratório. O nódulo era muito grande e então o médico solicitou uma mamotomia, que poderia ser mais conclusiva, mas não foi. A orientação médica foi partir para a cirurgia, e na semana seguinte eu fui operada. A maravilhosa notícia que eu poderia receber chegou: o nódulo não era maligno. O mais incrível foi perceber que o Senhor me livrou, assim como fez com Daniel na cova dos leões. Eu passei pela provação, mas saí ilesa!

Terceiro milagre: você pode imaginar ter um carro roubado sem seguro? Pois foi isso o que aconteceu comigo. Era domingo e, como sempre, eu fui ao culto. Quando estava chegando perto de casa, fui abordada por bandidos armados querendo levar o carro. Eu tinha comprado há pouquíssimo tempo e o veículo era novinho em folha. Como eu estava fazendo faculdade, os compromissos financeiros me fizeram deixar para fazer o seguro depois. Apesar da tristeza e perplexidade, não esmoreci e fiquei na intercessão. O Senhor me mostrou que, assim como Ele fez com Lázaro, o ressuscitando no 4º dia, Ele faria comigo. Eu entendi a mensagem do Senhor e esperei o 4º dia chegar. O que aconteceu? Alguém já ouviu dizer que Deus é fiel? Pois bem, meu carro foi localizado intacto exatamente 4 dias depois do roubo!! Só posso glorificar ao Deus da minha vida, meu Criador, meu Redentor!!

Encerro aqui com este versículo para edificar a sua vida:

“As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.” – 1 Coríntios capítulo 2, versículo 9.

Deus te abençoe!

A coluna Edificados pela Rocha é escrita por membros da Igreja Batista Maanaim e toda a sexta-feira apresenta um testemunho novo para glorificar o nome de Deus. O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e que informe os créditos de autoria. Em caso de dúvidas, contate a Igreja Batista Maanaim.